BEM-VINDOS À CRÔNICAS, ETC.


Amor é privilégio de maduros / estendidos na mais estreita cama, / que se torna a mais / larga e mais relvosa, / roçando, em cada poro, o céu do corpo. / É isto, amor: o ganho não previsto, / o prêmio subterrâneo e coruscante, / leitura de relâmpago cifrado, /que, decifrado, nada mais existe / valendo a pena e o preço do terrestre, / salvo o minuto de ouro no relógio / minúsculo, vibrando no crepúsculo. / Amor é o que se aprende no limite, / depois de se arquivar toda a ciência / herdada, ouvida. / Amor começa tarde. (O Amor e seu tempoCarlos Drummond de Andrade)

quarta-feira, 18 de maio de 2016

A crise da espiritualidade


Faz uns três meses, o Tribunal Constitucional da Alemanha (uma espécie de STF de lá) negou a um casal o direito de ter relação sexual com animais. Aquilo que já podemos nos acostumar a dizer (e chamar) por aqui de zoofilia. Eles afirmaram que se sentiam, sim, atraídos por bichos.

O cineasta Woody Allen já retratou uma fantasia sexual humana/animal no filme "Tudo que você sempre quis saber sobre sexo, mas tinha medo de perguntar" (1972). As comédias disfarçam as realidades, supondo que aquele comportamento não existe, é tudo ficção. Mas, nesse caso, infelizmente, existe. Na mente de algumas pessoas, o sexo é um poço escuro, um abismo profundo e inesgotável de fantasias.

Mas voltando ao caso do casal alemão. Ao leitor leigo pode parecer um absurdo, uma violência, algo fora do propósito uma reivindicação dessa, mas na Alemanha já havia uma lei permissiva até 2013. Direitos que pensaríamos não ver num mundo, ainda sob o olhar reticente de moral e ética que nos guia e nos move, e depois sob crenças e leis civis e religiosas. Alguns países, como a Finlândia e a Romênia, ditos "avançados", ainda permitem esse tipo de relação sexual.  Outros têm abolido, ainda bem.

Agora, recentemente, o papa Francisco foi alvejado por críticas de várias partes do mundo por ter dito: “Quantas vezes vemos pessoas que cuidam de gatos e cães e depois deixam sem ajuda o vizinho que passa fome?”. E ainda acrescentou: “Não se pode confundir com a compaixão pelos animais, que exagera no interesse para com eles, enquanto fica indiferente perante o sofrimento do próximo”.  

Esse posicionamento, bem colocado, por sinal, põe o mundo católico (e cristão) contra a parede e de volta à sua realidade: Quem vale mais aos olhos de Deus? As coisas têm extrapolado o razoável, sim. A Terra, ao qual o papa crê, foi dada por Deus ao homem; dela ele se nutre e é soberano sobre as demais criaturas (Encham e subjuguem a terra! Dominem sobre os peixes do mar, sobre as aves do céu e sobre todos os animais que se movem pela terra - Gênesis 1-28). Francisco é o papa da sua igreja, dos homens e não de cães e gatos. Quem não gostou, se sentiu ultrajado e no direito de inquirir o Sumo Pontífice, porque abnega sua existência e não vê problema nenhum em colocar o homem e as demais criaturas na mesma escala de valores. O papa e eu não pensamos assim.

A verdade é: vivemos uma crise de espiritualidade no mundo.  Enquanto o Oriente nos assusta com seu fanatismo religioso atroz, o Ocidente abole Deus da sociedade e de suas decisões. Sem Deus, perdemos as fronteiras das zonas limítrofes da vida humana. Lembrando que, na sociedade ocidental, que nos trouxe até o século XXI, Deus, por muitas decisões tomadas, foi o pêndulo que pôs nossas estruturas morais e condutas na retidão da justiça; assim também, no caminho de uma vida regida por uma moral e ética sem abusos e ambiguidades. Fora dessa moral e ética (sem o olhar de um criador), poderemos fazer as maiores atrocidades sem medo do nada, porque nada nos impede e pune de fazer tudo. Assim, como agem os loucos, os revolucionários, os criminosos e psicopatas.  

A partir do iluminismo (século XVIII), a Europa rompeu as bases e poder da igreja inserida e reinante, e se guiou só sob a luz da razão, do pensamento humano. Robespierre, depois de decapitar a monarquia francesa, ousou alterar o calendário e criar seu próprio deus: a razão. Acabou condenado à guilhotina, pelo mesmo tribunal onde discursava eloquente em nome do povo. Poder demais leva o homem a delírios e a criar novos deuses.

O homem contemporâneo tem encontrado na ciência e em outras crenças — de espiritualidade rasa — um modo de substituir Deus da sua vida, e assim tem feito. Quanto mais poder e controle obtém da vida, mais distante ele ficou do sagrado, do sobre-humano. O notório homem, que hoje tem domínio e mais conhecimento do mundo (distâncias, tecnologia, astronomia, medicina e a longevidade para desfrutar) vai tornando Deus como algo cada vez mais sem sentido na sua vida. — Eu já tenho a vida que me permito com o tempo que eu quero ter — pensa. Longe de Deus, o mundo estará também distante do homem.

Essa pseudo soberania humana, tem sabotado e nos empurrado cada vez mais para dentro de um egoísmo sem trégua. Apartado da sociedade, o homem caminha só com seu Smartphone. Nossos antepassados têm mais a nos ensinar que esse fraco e egoísta homem de hoje, já nos disse o filósofo Luiz Felipe Pondé. Mas deles [pré-históricos] perdemos o pouco do contato; e cada vez mais longe das origens e matrizes o mundo se encurrala.

Enquanto a Europa perde esse foco do mundo, os fundamentalistas religiosos do islamismo avançam sobre o Ocidente, tomando seus espaços, procriando, afrontando suas leis e costumes em imposição dos seus. Eles têm a ânsia de vingar suas crenças com a desculpa que seu deus os quer assim: aniquilando os infiéis. (uma guerra milenar.) O mundo Ocidental se aquieta, se acovarda  e se curva por não saber lidar com um tipo de moral e ética que eles não dominam. A vida é morte e vice e versa. Como confrontar com quem não tem medo de nada?

Obeserve, por exemplo, como a taxa de natalidade no Ocidente é decrescente, não só na Europa, mas também nas Américas. É mais fácil criar cães e gatos do que ter filhos que dão trabalho, precisam ir à escola; depois a escola é cara; os jogos de vídeo game e celulares, nem se falam. Além disso, há outros preocupações de insegurança e futuro. Cães e gatos, é só dar banhos em pet-shops e receber carinho. Não precisa de sermão e educação.

(Não falo aqui daqueles que, por circunstâncias da vida, não formaram suas famílias com filhos)

Menos natalidade desencadeiam outros costumes e formas de convívio. É alarmante o número de pet shops que hoje temos por aí; mais que clínicas pediátricas. Entretanto, a indústria do cuidado animal se agiganta e fortalece com esses mimos. A cegueira coletiva, que compara o homem ao bicho, toma grandes proporções. (Não que devemos desprezar e maltratar os domésticos, óbvio. Longe disso. O tempo da carrocinha e do sabão já passou.)

O que falo é da humanização insana, desenfreada, descabida e substituída. Por carência e espiritualidade fraca ou ausente, nos afugentamos do olhar divino, desencontrando o homem da sua existência; um desligamento de céu e terra, de corpo e alma. O homem já não tem importância e dele nada se espera mais; somos todos criaturas iguais de mesma germinação. Olhe para você e veja se não está nesse pensamento.

Uma amiga, que trabalha num desses pet shops, me relatou que, há uma quantidade grande de animais (cães e gatos) que chegam à sua loja abusados sexualmente. Como no relato inicial, por uma atração doentia ou pelo direito de transar com bichos, não se trata tão somente de um amor por troca de carinho e companheirismo, mas do que vai além disso. O animal virou propriedade e desfrute, e com ele pode-se fazer tudo, até sexo. Algo que já se tornou uma doença.

Às vezes, assusto algumas pessoas, quando digo que, daqui alguns anos, iremos ver em nossas novelas a figura do pedófilo como um doente oprimido, e com todo mundo comovido de dor e lágrimas nos olhos na frente da TV. As pessoas praguejam, mas isso caminha para uma realidade. Na década de 1970 também era um absurdo os beijos em novelas (quando era para ser técnico e ele se tornava verdadeiro, com línguas). Fato esse totalmente comprovado por mim, quando acessei o acervo da revista Veja da década de 1970. Uma matéria relata de um abaixo-assinado de donas de casa paulistana, repudiando e achando os beijos em novela um absurdo. O que pensariam essas senhoras de outrora se soubessem que hoje as novelas têm beijo gay? 

Você pode chamar isso de tudo, mas não de avanço e progresso da humanidade. Não há progresso em nada disso. Falo isso, porque se a sociedade continuar cada vez mais se afundando em doenças de espírito (regredindo para esse lado), iremos ver um dia a zoofilia com bons olhos no horário nobre da TV. Aplaudiremos o bizarro, o inimaginável. Em nome de um direito sem o freio moral.

Vivemos uma crise espiritual não diagnosticada. Quando o homem perde o sentido do sagrado, perde também o sentido em si mesmo, da sua existência. Tudo fica parecendo igual se colocado no mesmo prisma; numa visão horizontal, como se tudo aquilo que respira sobre a Terra tivesse a mesma significância. Sem privilégios, escolhas, domínio, força, valores e sem Deus.

Se você julga que a vida do Aedes aegypti, de um cãozinho, de um leão do Zimbábue e de um feto humano tem o mesmo valor, desculpa, mas sua doença não se cura no consultório médico. 

© Antônio de Oliveira / arquiteto, urbanista e cronista / Maio de 2016

Postar um comentário