BEM-VINDOS À CRÔNICAS, ETC.


Amor é privilégio de maduros / estendidos na mais estreita cama, / que se torna a mais / larga e mais relvosa, / roçando, em cada poro, o céu do corpo. / É isto, amor: o ganho não previsto, / o prêmio subterrâneo e coruscante, / leitura de relâmpago cifrado, /que, decifrado, nada mais existe / valendo a pena e o preço do terrestre, / salvo o minuto de ouro no relógio / minúsculo, vibrando no crepúsculo. / Amor é o que se aprende no limite, / depois de se arquivar toda a ciência / herdada, ouvida. / Amor começa tarde. (O Amor e seu tempoCarlos Drummond de Andrade)

domingo, 26 de setembro de 2010

Encontrei a felicidade

O cristianismo prega que encontraremos a felicidade plena no Reino de Deus. E onde está o Reino dos Deus? Fui lá conferir: O Reino de Deus não virá de modo ostensivo. Nem dirá: Ei-lo aqui; ou Ei-lo ali; Pois o Reino de Deus está dentro de vós. (Lc 17, 20-30). Aqueles fariseus não entenderam nada e muitos de nós (cristãos) ainda continuamos a não entender patavina do que disse o Cristo. Depois dessa inferência secular, poderia parar de escrever por aqui. Perdeu a graça em dizer que encontrei a receita da felicidade e ela está no livro dos livros; ou para outras crenças: nas alquimias, nos chás, na bula do prozac, no horóscopo, num pergaminho escondido no críptex, ou num baú secreto cuja chave foi lançada ao mar. Nada! Não há chave, não há baú, nem segredo. Há sim, nossas vidas e o modo de como queremos que ela prossiga daqui em diante, com ou sem amor. Continuemos a olhar para fora, ou vamos ao encontro da nossa espiritualidade?

A busca do externo, do exibicionismo, do materialismo, do consumismo, da satisfação nas coisas que o mundo oferece, faz muitos de nós sentirmos este vazio interior. O que falta para sermos felizes plenamente, se já provamos de tudo? Partindo desse engodo, já numa forma de desespero, acreditamos então que só seremos felizes quando alguém nos trouxer a felicidade a nossa porta. Como se tudo fosse uma mercadoria a delivery. Esta é nossa última cartada. Exigimos e aguardamos. Traga-nos uma porção. Não! Queremos uma quantidade farta que é para durar a vida toda. Ok?!

Pode ser que eu não esteja falando com você, mas isso é o que a maioria das pessoas busca. Anseiam nas suas relações interpessoais, que a outra pessoa a faça feliz. Esperam do outro e nada fazem por si, e para si. Faz parte do requinte que a pessoa escolhida, além de todos os outros atributos (ser príncipe ou princesa), traga ainda a felicidade no seu caminhão de mudanças. Depois do beijo no altar eles irão agora requerer seus direitos num casamento: a felicidade do outro. E se houver falhas nas suas atribuições um irá cobrar o outro e tudo caminhará para um divórcio bem rápido; e somente mais tarde, depois de algumas visitas ao analista, irão perceber que não há dívida de felicidade com ninguém. Querer sugar a felicidade alheia, é exigir além das fronteiras das relações humanas, mas muitas pessoas pensam, vivem e agem assim.

“É impossível ser feliz sozinho”, na música de Tom Jobim este é o verso mais comentado e propagado por aí. Tem outro de Vinícius de Moraes também: “mesmo o amor que não compensa é melhor que a solidão”. A música, a poesia tem a licença para dizer o que vier e tudo fica permitido, mesmo que seja uma receita que não se aplica na vida real. Assim, quem quiser acreditar nessas frases poderá concluir que a solidão é sinônimo de infelicidade. Entretanto, a solidão quando sofrida — e não sentida —, poderá trazer a infelicidade sim, mas ela não é determinante. Vou mais fundo.O que de fato é estar sozinho? Estar sozinho é ausência de companhia, de abandono e não falta de felicidade. Vasculhei nos dicionários de sinônimos e não há menção da ausência de felicidade para a palavra solidão. O pior abandono que causamos a nós é o abandono da alma; e uma vez instalado esse vírus, ali começará brotar a infelicidade — a erva daninha. É quando perdemos o foco e a referência, num sinal fatídico de se olhar no espelho e não se ver – nossa alma e tudo esvaecem.

Pode ser lugar comum o que vou dizer, mas não existe a vida totalmente feliz, e aqui, aonde viemos aprender, não existe felicidade plena. Por isso, necessitamos aprender a exercitar e expelir nossas emoções: as boas e as más; mais cedo ou mais tarde iremos precisar desprendê-las quando tivermos que encarar a realidade dos fatos. Não há vida sem luta e para isso há que se ter coragem para viver. O sofrimento, a dor são imputáveis à vida, assim como a felicidade. Não poderemos evitar nunca o sofrimento e a dor, as noites tempestuosas virão, com certeza, mas poderemos ansiar e permitir a felicidade sempre. Isto sim. Quando vivemos algum drama na nossa vida, somos aconselhados a fugir, fazer as malas numa viagem para esquecer. Sem notar que todas as nossas dores vão junto com as malas. Quem sofre com alguma dor, deve viver isso como se vive o amor na sua plenitude. Nunca devemos fugir dos nossos sentimentos.

Para saber até que ponto o dinheiro compra a felicidade, uma pesquisa recente nos EUA, com mais de 450 mil pessoas, constatou que para ser feliz o importante não é ser rico, mas sim não ser pobre. A verdade, é que as dificuldades de acesso aos bens de primeira necessidade desencadeiam fatores de ordem física, psíquica e emocional — trazendo a infelicidade. Respondendo à pesquisa, a grande maioria que está feliz ou vivendo momentos felizes encontrou na religião (qualquer delas) a sua maior causa; já a infelicidade, está mais atrelada à solidão, e esta, com certeza, já numa forma de sofrimento, de abandono da alma.

O ser humano é uma máquina de queixumes. Não bastasse o corpo, que com o tempo dará sinais de cansaço e dores, as pessoas se queixam também das dores da alma — ainda na juventude. Gostaria que essas pessoas que vivem a reclamar da vida, olhassem para dentro dela e enxergassem os tantos motivos que têm para dar felicidade a si. Quiçá, uma visita à ala de pediatria de um hospital de câncer mudasse seu comportamento, com mais resignação. Iriam se queixar menos e amar a vida que tem. O melhor remédio para dor é o amor. Por outro lado, encontraremos poucas pessoas que irão dizer: EU ENCONTREI A FELICIDADE. A felicidade dá medo até de dizer que se tem, ficamos com a sensação que irá fugir a qualquer momento e não encontraremos mais o fio da meada. Dá medo de ser feliz. Ou, por um instante, nos perguntamos: mas isso que é a felicidade? Duvidamos dela. E como numa frase que li: “o medo da felicidade está na raiz de todo pensamento supersticioso: estando bem, nos sentimos ameaçados e nos protegemos batendo na madeira”.

O filme “O Divã” — 2009 traduz bem esta conversa aqui. A personagem vivida por Lilia Cabral é daquelas mulheres mais do que comum: casou, criou filhos, vida modesta e em paz. Durante uma sessão de psicanálise percebe que sua vida falta algo, um sentimento de incompletude a toma conta. Então, ela resolve viver aventuras amorosas e perigosas. Em consequência, rompe o casamento de anos e cai na vida. O fato, é que a terapia a traz para a realidade, e ela se descobre ao olhar para dentro da sua vida — vivida e escolhida. A frase final dita por ela sintetiza tudo: “Se tive problemas um dia, não foi por falta de felicidade. Ah, não foi mesmo”.

Acender um fósforo numa noite fria irá aquecer somente o minúsculo inseto ao redor da chama, e tão logo se apagará; mas acender uma lareira no canto da sala irá aquecer a casa e as pessoas que ali moram. O amor é o fogo duradouro da lareira, que devemos manter aceso para encontrarmos o caminho da felicidade. Os que acendem a fogueira do amor, irão se aquecer ao seu redor e viver mais felizes. Há aquelas pessoas que passaram a vida toda buscando a felicidade sem encontrar, mas na verdade, viveram nela a “não felicidade”: a negação da sua presença em muitos momentos da vida. Essas pessoas amarguradas, birrentas e de mal com o mundo são puramente ocas, incompletas e terminam sozinhas — o tempo já se foi. Quem não quiser chegar ao final de sua jornada assim, ainda há tempo para abrir as portas do coração e deixar forjar o amor na espiritualidade e por fim a felicidade — tudo na mesma fornalha. E quando a vida um dia lhe questionar, poderá dizer: se tive felicidade um dia, foi porque vivi muito o amor.

© Antônio de Oliveira / arquiteto e urbanista / setembro de 2010.

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Como se fosse a primavera

Ainda a primavera...

O novo texto para o blog está quase pronto. Como o texto "Nesta manhã de primavera..."(leia) ainda está "bombando" com muitos acessos, vou adiar por uns dias a postagem do novo texto. Já fins uns ensaios com alguns leitores e a resposta foi muito boa. Acho que irão gostar.
Enquanto isso, assistam o video da canção "Como se fosse a primavera" de Pablo Milanés/Nicolas Guillén. Chico Buarque gravou está música - 1984. Esta música é uma das belas coleções de compositores cubanos. Deles, gosto muito desse: Pablo Milanés, e de Silvio Rodriguez. Na política, Cuba é um atraso, mas seus compositores são muito bons. Por sinal, esses dois não se alinham mais com a forma governamental e regimentar da ilha.
Enquanto aguardam o próximo texto, leiam os antigos. A primavera começou hoje, vamos mudar o foco e o rumo da prosa.




Como Se Fosse a Primavera

Composição: Pablo Milanés/Nicolas Guillén

De que calada maneira
Você chega assim sorrindo
Como se fosse a primavera
Eu morrendo
E de que modo sutil
Me derramou na camisa
Todas as flores de abril
Quem lhe disse que eu era
Riso sempre e nunca pranto?
Como se fosse a primavera
Não sou tanto
No entanto, que espiritual
Você me dar uma rosa
De seu rosal principal
De que calada maneira
Você chega assim sorrindo
Como se fosse a primavera
Eu morrendo
Eu morrendo

terça-feira, 21 de setembro de 2010

Bicicletas, etc...


Quando fui dar nome ao blog, veio a lembrança de uma música chamada “Bicicletas, etc...” (Eduardo Souto Neto e Geraldo Carneiro). Esta belíssima música esta no LP de Taiguara de 1971, na última faixa do lado A. Este disco foi uma das grandes inspirações musicais do meu aprendizado. O título era “Carne e Osso” e na capa aparecia uma boca enorme (provavelmente a de Taiguara). Ouvi este disco até furar, literalmente falando. “Bicicletas, etc...” tinha num trecho da letra: “todas as manhãs eu entro no cinema/ numa imagem de luzes coloridas...” e um arranjo com base em piano, como quase tudo que Taiguara fazia. Neste mesmo disco havia outra canção que se chamava “Momento de amor”, era a 3ª faixa do lado A. Sempre interpretei esta música como uma resposta do amor. Do amor que se dá e recebe na mesma proporção. Sua letra e melodia vão da carícia, do afago ao ápice, ao orgasmo e depois o repouso, o descanso. Tudo dentro de uma sutileza de versos e harmonia. Ao fundo se ouvia uníssono uma voz feminina falando ao seu amante palavras de amor.


Momento de Amor (Taiguara)

Neném, eu percebi quando te amei
Teu medo foi maior que o teu amor, neném
Neném, abre o teu peito e diz pra mim
Tudo que te faz temer assim
Neném, dor que se guarda fere mais
Faz medo, desespera e esfria o amor, neném
Meu bem, faz no leito um sol pra nós
Faz da tua treva o amanhecer
Vida é só uma estrada e vai levar
Aonde o teu amor puder
Vida é teu momento de entregar
É dentro de você, mulher
Neném, agora sim num corpo só
Os nossos corpos sós vão se encontrar no amor
Amor, agora sim eu vou te amar
Mais do que te amar vou te saber
Assim, meu colo acolhe a tua mão
E colhe em tua mão o tato bom do amor
Assim, meu braço estreita o nosso amor
Deita sobre o teu o meu viver
Quero, e esse é o momento de alcançar
Vir junto e mergulhar no amor
Quero, deixar no mundo do teu ser
No fundo do teu ser, o amor
Comigo agora, vem, vem, vem neném


Postado por Antônio - Setembro 2010

sábado, 18 de setembro de 2010

O lado B - Ontem, um sonho...



"Yesterday" é uma canção originalmente gravada pelos Beatles para o seu álbum Help 1965!. De acordo com o Guinness World Records, "Yesterday" tem mais covers de qualquer canção já escrita. A música continua a ser há mais popular até hoje com mais de 3.000 regravações, a bater o primeiro top 10 do Reino Unido, três meses após o lançamento de Help!.A Broadcast Music Incorporated (BMI), afirma que foi tocada ao longo de sete milhões de vezes no século 20. A canção não foi lançada como single no Reino Unido no momento do lançamento americano e, portanto, nunca ganhou um status de número 1 no país. No entanto, "Yesterday" foi eleita a melhor canção do século 20 em 1999 pela BBC Radio 2 na pesquisa de especialistas em música e ouvintes. Em 2000, "Yesterday" foi votada a canção pop nº 1 de todos os tempos pela MTV e Rolling Stone Magazine. Em 1997, a canção foi introduzida no Hall da Fama do Grammy.Embora creditada a Lennon / McCartney ", a canção foi escrita exclusivamente por McCartney. Em 2002, McCartney pediu a Yoko Ono se ela consideraria reverter os créditos de composição na música para ler "McCartney / Lennon." Ono recusou.

Origem

Segundo os biógrafos de McCartney e os Beatles, McCartney compôs a melodia inteira em um sonho de uma noite em seu quarto na casa em Wimpole Street de sua então namorada Jane Asher e sua família.Ao acordar, ele correu para o piano e tocou a música para evitar de esquecê-la.Ainda não tinha letra e ele a chamou de Scrambled eggs. Mas Paul ficou encucado, achando que já tinha ouvido aquela melodia em algum lugar. Então passou vários dias mostrando para os amigos e perguntando se eles já não a conheciam. Não, ninguém nunca tinha escutado aquilo antes.
Após ser convencido de que ele não havia roubado de alguém a melodia, McCartney começou a escrever letras para adequá-la.O verso inicial de trabalho foi "Ovos mexidos / Oh, meu amor como eu amo seus pés" (Scrambled Eggs/Oh, my baby how I love your legs), foi utilizado para a música, até algo mais apropriado foi escrito. Em sua biografia, Paul McCartney: Many Years From Now, McCartney lembrou: "Então, primeiro de tudo eu verifiquei a melodia, e as pessoas me diziam: 'Não, ele é lindo, e eu tenho certeza que ele é todo seu." Demorei um pouco para me permitir afirmar isso, mas então, como um garimpeiro eu finalmente aceitei e disse: "Ok, ela é minha!" Ela não tinha palavras. Costumava chamá-lo de "ovos mexidos".
Durante as filmagens de Help!, Um piano foi colocado em um dos lugares em que a filmagem estava sendo realizada e McCartney queria aproveitar esta oportunidade para mexer com a música. Richard Lester, o realizador, acabou por ser extremamente irritante com isso e perdeu a paciência, dizendo para McCartney
terminar de escrever a música ou que teria o piano removido.Paciência dos outros Beatles, também foi testado por um trabalho de McCartney em andamento, George Harrison somando isso quando ele disse: "Caramba, ele está sempre falando sobre essa música. Você acha que ele foi Beethoven ou alguém!"
McCartney disse que a descoberta com a letra surgiu durante uma viagem a Portugal em Maio de 1965 quando esteve em Algarve:
"Lembro-me remoendo a canção" Yesterday ", e de repente começou com uma palavra para o verso. Comecei a desenvolver a ideia ..." da-da da, yes-ter-day, sud-den-ly, fun-il-ly, mer-il-ly and Yes-ter-day, that's good. All my troubles seemed so far away". É fácil para rimar os A's: dizer, ou melhor, hoje, fora, jogar, ficar, há uma muitas rimas e aqueles em queda com bastante facilidade, por isso gradualmente coloquei as partes juntos daquela viagem. Sud-den-ly, e 'b', novamente, outra rima fácil: e, me, tree, flea, we, e eu tive a base nele. "
Em 27 de Maio de 1965, McCartney e Asher voaram para Lisboa para passar férias em Albufeira, Algarve, e pediu um violão de Bruce Welch, em cuja casa eles estavam hospedados, e completou o trabalho em "Yesterday"
A canção foi oferecido como uma demonstração de Chris Farlowe antes da gravação dos Beatles, mas ele a recusou por considerá-lo "muito brando".

Gravação

A faixa foi gravada no Abbey Road Studios (imediatamente a seguir na gravação de "I'm Down"), em 14 de Junho de 1965. Há relatos conflitantes sobre a forma como a canção foi gravada, o mais citado é que McCartney gravou a música por si próprio, sem se preocupar em envolver os outros membros da banda. Fontes alternativas, no entanto, afirma que McCartney e os outros Beatles tentaram uma variedade de instrumentos, incluindo bateria e um órgão, e que George Martin mais tarde convenceu-os a permitir que McCartney a tocar a sua Epiphone Texan cordas de aço da guitarra acústica, mais tarde, na edição de um quarteto de cordas para backup.Nenhum dos outros membros da banda foram incluídas na gravação final.No entanto, a música foi tocada com os outros membros da banda em concerto em 1966, em Sol maior, em vez de Fá maior.
McCartney gravou dois takes de "Yesterday", em 14 de junho de 1965.Take 2 foi considerado o melhor e usado como o take master. Um quarteto de cordas foi adicionada no take 2 e essa versão foi lançada.Take 1, sem o overdub seqüência, foi lançado posteriormente no Anthology 2.Em um teste, McCartney pode ser ouvido dando mudança de acordes para George Harrison antes de começar, mas George não parece realmente para tocar.Take 2 tinha duas linhas transpostas a partir do primeiro exame: "There's a shadow hanging over me"/"I'm not half the man I used to be,"",embora pareça claro que a sua ordem no take 2 foi correta, porque McCartney pode ser ouvida, em ter um, contendo o riso em seu erro.
George Martin disse mais tarde:
"Ele [Yesterday] não era realmente um disco dos Beatles e eu discuti isso com Brian Epstein:" Você sabe que esta é a canção de Paul... vamos chamá-lo de Paul McCartney? Ele disse 'Não, tudo o que fazemos, não estamos na divisão do Beatles.''

Lançamento

A influência dos Beatle sobre sua gravadora americana., Capitol, não era tão forte como era na Parlophone da EMI na Grã-Bretanha. Um single foi lançado em nos Estados Unidos.,a "Yesterday" com o "Act Naturally", uma faixa com vocais por Starr.O single foi desenhando até 29 de Setembro de 1965, e liderou as paradas por todo o mês, com início em 9 de outubro. A canção passou um total impressionante de 11 semanas nas paradas americanas, vendendo um milhão de cópias em cinco semanas. "Yesterday" foi a canção mais tocada nas rádios americanas por oito anos consecutivos, a sua popularidade se recusa a diminuir.
"Yesterday" foi o terceiro de seis singles número um nas paradas americanas, um recorde na época.Os singles foram "I Feel Fine", "Eight Days a Week", "Ticket to Ride "," Help! "," Yesterday "e" We Can Work It Out ". "Yesterday " também marcou uma viragem no que escreveu uma série de singles para o grupo. Lennon escreveu cinco através de "Help!", Ao passo que depois McCartney escreveu oito começando com "Yesterday".
Em 4 de março de 1966, "Yesterday" foi lançada como um EP no Reino Unido, juntamente com "Act Naturally" no lado A com "You Like Me Too Much" e "It's Only Love" no lado-B. Até 12 de Março, tinha começado a sua execução nas paradas. Em 26 de março de 1966, o EP foi o número um, a posição que ocupava há dois meses.Mais tarde naquele mesmo ano, "Yesterday" foi incluída como faixa-título do Yesterday and Today album nos EUA.
Dez anos depois, em 8 de março de 1976, "Yesterday" foi lançado pela Parlophone como single no Reino Unido, apresentando "I Should Have Known Better", no lado-B. Entrando nas paradas em 13 de Março, o single permaneceu lá por sete semanas, mas nunca subiu mais do que o número 8 (no entanto, por esta altura a canção tinha sido apresentado em pelo menos três top 5 álbuns e um EP, que liderou as paradas) . O lançamento aconteceu devido à expiração do contrato dos Beatles com a EMI, Parlophone.EMI lançou singles como muitos dos Beatles como poderiam no mesmo dia, levando a 23 deles acertando o top 100 nas paradas do Reino Unido, incluindo seis no top 50.
Em 2006, uma versão da canção foi incluída no álbum Love. A versão começa com a introdução da guitarra acústica da canção "Blackbird".
Comentário:O site da Globo nessa semana numa reportagem falou que a música Yesterday tinha sido escrita na Espanha,o que NUNCA aconteceu!Ela foi escrita em Portugal com as palavras declaradas por Paul

domingo, 12 de setembro de 2010

Nesta manhã de primavera...

Se eu pudesse intervir no tempo e mudar as estações do ano, eu faria tudo começar com a primavera. Tem tudo a ver com o início da vida: os dias, suas flores e cores sem fim; onde tudo parece se realizar e transformar. Nos dias da criação, não tenho dúvida que era primavera. Deus criou tudo a partir dali. Toda a beleza do mundo foi criada primeira e depois veio o resto. Esta estação encanta, dá alento e esperança; e o sentimento é de renovação e mudanças, com dias claros de contemplação. Eu sempre escolho a primavera para arrumar as gavetas da alma e dar o próximo passo adiante.

Na vida sempre iremos recomeçar algo, do marco zero. Ninguém está livre disso. Há momentos — e aqui eu falo da vida de todos nós — em que haverá um divisor de águas, um barco à deriva que muda sua rota, um novo rumo onde mudanças ocorrerão: um casamento (ou divórcio), o nascimento de um filho, um novo emprego, uma nova moradia, outro lugar ou um novo amor... Também não nos esqueceremos das passagens tristes por acidentes e desastres — esses nunca planejados. Essas fases ficarão perpetuadas nas nossas memórias. É a primavera mudando nossas vidas.

Faz alguns anos vi um filme nacional cujo enredo se baseava em: “a vida tem sempre o lado B” — fazendo uma alusão aos discos “long-playing” —, e na minha modesta tradução, sintetizei: na dificuldade, alterne, vire o disco! Termo este que muitos jovens já ouviram, mas não sabem de onde vem. Vem daí. Em 2000, a revista americana MTV elegeu a música “Yesterday”, a melhor música pop de todos os tempos — o que concordo. No álbum “Help!” dos Beatles — 1965 , “Yesterday” é a penúltima música do lado B, a 13ª música do disco. Às vezes, as melhores músicas estão tocando no lado B de nossas vidas. É preciso virar o disco para desvendá-las e deixá-las entrar.

Nessa toada, nos apontam todos os caminhos, quando a vida diz não para um lado, abrirão outras portas para um novo sentido: vire o disco. Agora a deixo assim, seguir seu norte. Onde vai dar? São minhas escolhas, que apontarão as setas do caminho, iluminado por uma luz espiritual, que me permito a todo o momento. Tenho falado: à vida fazemos as escolhas e ela se posicionará para o lado que está o leme que remamos. Quem insiste e perde tempo com as pessoas erradas, não obstante, terá tempo depois para encontrar e amar a pessoa certa.

É fato, viemos a esta vida fadados a fazer escolhas; e isso começa desde quando nossos pais nos soltam das mãos e então damos os primeiros passos sozinhos. Assim, esticamos nossos bracinhos para o colo de quem queremos ir. Como um filhote de águia que despenca do ninho e aprende a dar seus primeiros rasantes: voamos, voamos por aí buscando alimentos para corpo e para alma. A partir daí nos sentimos livres para fazer o que bem queremos dela; e por ela fazemos muitas opções. Malgrado, para outros é optar até pela morte em detrimento à vida, como muitas tragédias têm mostrado. É claro, a cartilha da boa educação e moral nos é dada também já no engatinhar, tendo também a opção de seguir ou não na fase da consciência.

Depois de sofrer muita resistência e dor, hoje uma amiga aceita a condição de vida de seu pai e sua relação com ele. Aprendeu a amá-lo como ele é; com seus defeitos e qualidades. Ela me disse: “ele escolheu esta vida para ele, isto mesmo antes de eu nascer. Não posso mudar, ele fez suas escolhas. Aprendi agora a amá-lo assim”. Todos os dias nós acordamos já fazendo tais escolhas: banho frio ou quente? Com que roupa eu vou? O quê comer? E no nosso estado de espírito também: como iremos encarar o primeiro que depararmos no elevador ou na rua, com sorriso ou cabisbaixo?

Sempre achei que estivesse escondida numa concha no fundo do mar”. Quando ouvi esta frase me trouxe uma sensação de que vivemos buscar alguém que está longe dos nossos olhos e do alcance das mãos. Sonhamos com o impossível, a perfeição — talvez, até porque não somos. Achando que só iremos encontrar nossas pérolas, em conchas nos reinos abissais mais profundos. E assim, corremos em busca da perfeição. Haverá uns que brilharão em suas manhãs mais singelas de primavera; há outros que se ofuscarão até ao maior brilho do sol. Esta é vida e o tom que cada um dará a ela. Algo de errado está nos nossos olhos que vivem a buscar o mar com suas riquezas infinitas e inatingíveis, e cegam para outras tão perto e possíveis.

Fazer opção pela sua vida é dar sentido a ela própria. Parece ser conversa fiada, mas nem sempre é assim, muitos castram seus projetos para fazer outras escolhas, viverem a vida que não é sua, e se perdem por aí. Por volúpia ou paixão, às vezes nos confrontamos com lampejos de sentimentos do qual não dominamos e por eles deixamos tudo, e trocamos a nossa pela vida do outro. Isto ocorre com a maioria das mulheres, que, em busca de uma relação perfeita, obedecem a seus cônjuges e se abdicam de seus projetos de vida em prol de um casamento, pensando na sua eternidade. Um dia, acordarão no tédio, já maltrapilhas, sem espelho e sem identidade. A tarefa árdua agora é juntar os cacos, colocar no lugar tudo que espalhou pelos cômodos — a casa agora precisa de uma boa faxina. Mas ainda haverá tempo de se buscar a nova primavera.

Agora escolho esta manhã de primavera (quando entrar setembro e a boa nova andar nos campos...) e tudo que me renova. Vou abrir todas as janelas da alma e contemplar as cores do dia; vou dar o perdão, vou partilhar o bem, vou tomar meu café sem tempo para sair da mesa, vou despedir da tristeza, vou encontrar com o amor. Nesta manhã de primavera vou andar descalço, vou rir de tudo, vou cumprimentar meu vizinho, vou abrir o coração, vou fechar um livro com lágrimas de emoção, vou começar outro com devoção; vou orar mais um pouquinho, vou trocar de leme e continuar remando.

Nesta manhã de primavera, vou escolher a minha melhor roupa, vou pintar uma tela, vou acreditar no amor, vou fazer nova amizade, vou transgredir, vou ver o mar... Nesta manhã de primavera vou pôr na vitrola e ouvir “Yesterday”, a penúltima música do lado B da trilha sonora da minha vida.

A cada primavera eu renasço, como um réveillon em fogos de artifício e em pétalas de flores. Leva-me daqui, desse inverno, desta dor. Se tiver que escolher, escolho agora esta manhã para renascer. Das estações, eu escolhi a primavera. E você?

© Antônio de Oliveira / arquiteto e urbanista / setembro de 2010.



quarta-feira, 8 de setembro de 2010

A mullher árabe

A tarde já se ia quando cheguei naquela praia deserta. Meus passos lentos traçavam um caminho incerto na areia. Queria chegar até as pedras, encontrar meu prumo, minha vida. Os povos do oriente nunca me fizeram compreender. As ondas apagavam tudo em que pensava. O inverno que havia em mim era árido e deserto. A brisa gelada fazia minha pele sentir o frescor sob minhas vestes brancas. Sem forças, estirei meu corpo ao chão com minhas mãos espalmadas sobre a rocha ainda quente. Minhas veias saltadas supuravam um suor amargo. A boca seca desencontrava em murmúrios e palavras que brotavam sem direção no espaço. O mar revirava, agitava e lançava suas ondas nas pedras, como um convite para o mistério das suas profundezas. Quero ser como o mar, dizia dentro de mim. Voltarei um dia como mar... Lembrei-me do sonho em que vi um anjo que saltava do penhasco e sumia entre as nuvens. Era bom presságio sonhar com anjos, diziam meus antigos. Mas meus olhos ali amorteciam no firmamento. A cortina do dia fechava num espetáculo que as minhas pupilas teimavam em não espiar e minhas mãos reticentes em não aplaudir. Fiz de mim um vinho entornado, uma palha seca de sentimentos vãos, migalhas de um coração partido em mil pedaços. Um raio de sol quisera que penetrasse inteiro em minha alma, mas não pude represar minhas lágrimas no mesmo instante. Abaixei o queixo, fechei os olhos e com nitidez veio a cena daquele dia na biblioteca. Num livro antigo empoeirado, desvendava o mistério dos meus tormentos e pesadelos: a mulher árabe não pode amar. Convencido que já havia lido e sabia tudo sobre o amor, de como se dissemina entre os povos, na chama do coração e pelo tempo. Que o amor não tem raça, nem credo. Que o amor liberta. Que amar é uma dádiva. Nunca imaginava saber a verdade sobre quem eu amava. Desfolhei outros livros, contos, manuscritos, histórias reais. Nada. Quebraram meus braços, cravaram em meu peito uma lança. Chorei, cuspi nas folhas, disse injúrias e teimei com Deus. Não pode ser assim! Como somos tão desiguais. Meu coração agora arde de amor, eu preciso entregar este amor à minha amada. Minhas teses se concluíam, fechavam como peças de um quebra-cabeça. Das nossas conversas e encontros. Senti que ela sofria e eu por ela mais ainda, mas nada podia fazer. Manifestei aos céus, ceifaram a liberdade dela amar mesmo antes de vir ao mundo. Pensei nas pedras e na água fria que poderia encontrar lá embaixo. Nossos poemas, as canções que compus no mel dos seus olhos. Reli a última mensagem do celular. Mas em tudo voltava como um trem desgovernado: a mulher árabe não pode amar nem aqui, nem em lugar algum. Chorei por nós, pois agora não podia mais lutar por aquele amor que já deveria partir de mim sem tempo. A mulher árabe não serve para o amor. Indaguei o destino que nos cruzou, o evangelho, as escrituras. Por quê? Quero este amor! Em vão, tudo se esmaeceu como uma centelha que se dissipa no ar.

Levantei a cabeça. A noite caia fria e as embarcações eram tragadas no nevoeiro. Pássaros partiam para o repouso noturno. Agora eu era só, as estrelas primeiras surgiam como pontos no pano do céu. Traçava a bel prazer desenhos de geometria incompreensível. Lia sobre elas o nome que me vinha e não era outro senão o nome dela. Músicas entoavam ao longe um hino de amor que guardei para lembrar de nós. Cadernos, poemas, bombardeios, fronteiras, caravanas, desertos tudo se misturava com meu sangue quente. Como compreender? Bêbadas manhãs que acordei pra sonhar com este amor. Para qualquer lugar distante, queria fugir sem deixar vestígios.

Já era tarde e chovia ao norte. Pus-me em pé e fiz um crucifixo do oriente ao ocidente dos meus braços. Gritei - sem eco. Um vento forte soprou em meus olhos e secou minhas lágrimas. Por fim, era verdade como em meu sonho. Senti então meu anjo suspirar ao redor; túnica longa e branca, com a mão estendida sobre meus ombros e na sua plenitude transfigurava: "vai, volte à vida, leve este teu amor para guardar no coração e para sempre na eternidade juntar-se a ela; quanto à mulher árabe, saiba que a ela foi dado somente o prazer de chorar". Parti.

© Antônio de Oliveira / arquiteto e urbanista / Abril 2007

sábado, 4 de setembro de 2010

A casa do Oscar

A casa do Oscar era o sonho da família. Havia o terreno para os lados da Iguatemi, havia o anteprojeto, presente do próprio, havia a promessa de que um belo dia iríamos morar na casa do Oscar. Cresci cheio de impaciência porque meu pai, embora fosse dono do Museu do Ipiranga, nunca juntava dinheiro para construir a casa do Oscar. Mais tarde, num aperto, em vez de vender o museu com os cacarecos dentro, papai vendeu o terreno da Iguatemi. Desse modo a casa do Oscar, antes de existir, foi demolida. Ou ficou intacta, suspensa no ar, como a casa no beco de Manuel Bandeira.
Senti-me traído, tornei-me um rebelde, insultei meu pai, ergui o braço contra minha mãe e sai batendo a porta da nossa casa velha e normanda: só volto para casa quando for a casa do Oscar! Pois bem, internaram-me num ginásio em Cataguazes, projeto do Oscar. Vivi seis meses naquale casarão do Oscar, achei pouco, decidi-me a ser Oscar eu mesmo. Regressei a São Paulo, estudei geometria descritiva, passei no vestibular e fui o pior aluno da classe. Mas ao professor de topografia, que me reprovou no exame oral, respondi calado: lá em casa tenho um canudo com a casa do Oscar.
Depois larguei a arquitetura e virei aprendiz de Tom Jobim. Quando a minha música sai boa, penso que parece música do Tom Jobim. Música do Tom, na minha cabeça, é a casa do Oscar.
Chico Buarque
Poemas, testemunhos, cartas - 2000