BEM-VINDOS À CRÔNICAS, ETC.


Amor é privilégio de maduros / estendidos na mais estreita cama, / que se torna a mais / larga e mais relvosa, / roçando, em cada poro, o céu do corpo. / É isto, amor: o ganho não previsto, / o prêmio subterrâneo e coruscante, / leitura de relâmpago cifrado, /que, decifrado, nada mais existe / valendo a pena e o preço do terrestre, / salvo o minuto de ouro no relógio / minúsculo, vibrando no crepúsculo. / Amor é o que se aprende no limite, / depois de se arquivar toda a ciência / herdada, ouvida. / Amor começa tarde. (O Amor e seu tempoCarlos Drummond de Andrade)

sexta-feira, 11 de outubro de 2013

Noutras palavras sou muito romântico

Nota: Assuntos recentes e nos noticiários me chamam atenção. Eu escrevo quando algo me incomoda. A dor me incomoda; o amor também me incomoda. Era pra ir pra página do meu Facebook, mas veio pra cá primeiro. Com linguagem de rede social. Sorry



Já havia escrito por aí, mas voltei ao assunto. Há uma santíssima trindade "imexível", irretocável e imaculada no Brasil: Caetano-Chico-Gil (CCG). E com muito espaço ainda pra Roberto, o rei; Pelé, o rei; Xuxa, a rainha; Senna, o mito. O que não falta à nossa gente bronzeada são reinados, coroas, majestades, eunucos e santos pra adorar. Bobos da corte também têm...

Você, meu ouvinte e minha ouvinta, já leu alguma biografia desses "monstros" da nossa e de outras épocas? Claro que não, talvez isso explique a idolatria de tanta gente por esses seres inimagináveis e de almas bondosas. Até o cocô que fazem deve ser linnnnndo!
Pelé, por exemplo, é 42,3% craque; 7,3% está na cabeça dos românticos da bola; e 50,4% puro Marketing. Seu filho não deu certo no futebol. Pelé odiou sua escolha, porque o filho (goleiro ruim e foi pego com drogas) quase tingiu seu marketing de herói dos gramados. Espertamente, também não quis jogar a Copa de 74, porque já temia o fracasso. Aposentou-se no auge e vive das glórias e vil metais do seu passado. Por essas e outras que nenhum brasileiro, por não conhecer melhor Edson, nunca admitirá Maradona, por exemplo.
Geraldo Vandré escolheu viver no ostracismo, desde meados dos anos de 1970. Toda vez que lhe pergunta sobre torturas durante o regime militar, ele nega que tenha sofrido. Os mais sábios da sua vida do que ele (patrulheiros) dizem que ele não diz coisa com coisa... Simplesmente porque ele nega o que todos gostariam que fosse verdade. Hummm. Quem poderá dizer melhor que ele sobre sua vida? Talvez um biógrafo. Não aqueles que teimam afirmar que “fizeram uma lavagem cerebral”, ficando com essa verdade. E eu tenho que ouvir isso.
João Gilberto (82), cantor, mora num apartamento alugado no Leblon. Segundo o porteiro do seu prédio, ele quase nunca desce pra nada (vive lendo, tocando e a única TV que tem é ainda PeB). Quando aparece, ele não usa o hall social do prédio, circulando sempre pela garagem. Ele endoidou? Não! Só quer privacidade e, assim como Vandré, cansou de ser reconhecido na rua.
De Roberto Carlos já li muita coisa, mas tem outras tantas que seu público quer saber. Mas ele quer controlar tudo a sua volta, até as cores das roupas dos outros.
Casamentos conturbados, mulheres, porres, festas em iates, envolvimentos com governos e a máfia... Pelo rastro biográfico de Marilyn Monroe encontrará também o de Sinatra. De como seus amigos mafiosos abusaram sexualmente, fizeram festinha com a bêbada e doente Marilyn Monroe em Cal-Neva, uma semana antes da sua morte. E como o procurador geral da República, Bob Kennedy, fugiu de Los Angeles num helicóptero, na madrugada antes da polícia chegar à casa de Marilyn Monroe. Sinatra estava nesse meio. A vida pessoal manchou a vida artística do "the voice" Frank Sinatra? Não! Ele continua tocando na vitrola de muita gente, inclusive na minha. Para o seu público, o tornou mais humano, talvez. Sua biografia é fácil de encontrar.
No limiar dos anos de 1970, o maior cantor do Brasil era Simonal. Ele sofreu muito com patrulhamento ideológico e boatos que acabaram com sua carreira artística. Toda tristeza que o levou ao alcoolismo e morte prematura. Quem quis provar que ele era inocente e não um dedo-duro? Fizeram um filme recente pra tentar contar esse lado. A tal "comissão de verdade" nunca irá se interessar pelo seu caso. Morreu sem provar que era apenas um negão marrento e de muito sucesso. Os vídeos estão aí no Youtube.
Certa vez, num almoço, ouvi de um velho padre, ser ele a favor da pregação de um Cristo mais humano e menos santo. Eu concordei, mas os cristãos, os fiéis gostam da historia romantizada, idolatrada, santificada, milagreira. Sem negar, é claro, que seja o filho de Deus. Mas como ver só o santo num homem que endoidou no templo?
Mas voltando às biografias censuradas, o único a chamar a coisa pelo nome de "censura" é Alceu "Anunciação" Valença. Deu um pito e esporrou todo mundo. Está no seu mural do Facebook.
Viva a democracia e as biografias; e abaixo os Black Blocs (contrapondo o que prega Caetano). E tudo só porque eu também acredito que é "proibido proibir". Lembra-se disso, velho baiano?
Another words, I'm so much romantic.

© Antônio de Oliveira / arquiteto e urbanista / Outubro de 2013.
Postar um comentário