BEM-VINDOS À CRÔNICAS, ETC.


Amor é privilégio de maduros / estendidos na mais estreita cama, / que se torna a mais / larga e mais relvosa, / roçando, em cada poro, o céu do corpo. / É isto, amor: o ganho não previsto, / o prêmio subterrâneo e coruscante, / leitura de relâmpago cifrado, /que, decifrado, nada mais existe / valendo a pena e o preço do terrestre, / salvo o minuto de ouro no relógio / minúsculo, vibrando no crepúsculo. / Amor é o que se aprende no limite, / depois de se arquivar toda a ciência / herdada, ouvida. / Amor começa tarde. (O Amor e seu tempoCarlos Drummond de Andrade)

quinta-feira, 4 de julho de 2013

O que a mídia não mostra


O que algumas pessoas próximas não sabem, mas eu tenho certa repulsa pela palavra americanizada “mídia”. Muito difundida no meio político e utilizada para exprimir a imprensa em geral. Sempre usada de forma negativa, quando se quer dizer de ausência, ou controle de tudo que se publica nos meios de comunicação. Prefiro então dizer “press”, ou simplesmente Imprensa. Apesar de gostar de citações em inglês, "mídia" deixa tudo solto, sem sentido, sem eixo.

Segundo os dicionários, “Mídia” vem do inglês “Media”, podendo resumir em meios de comunicação, ou conjunto de formas de comunicação. O que contempla todos: rádio, televisão, internet, jornais impressos, revistas, etc.

No Brasil, a imprensa cumpre hoje um papel bem atípico; longe do que se fazia anos atrás. Tudo hoje se resume em só levar e trazer informação. Deixou de ser um veículo de formação de uma ideia e investigativo. Virou uma redação de fofocas de tudo que se ouve e propaga por aí nas redes sociais. Ninguém depura nada. As formas vindas por redes sociais são instantâneas e de fácil digestão. Muitas notícias ficam na cabeça do leitor com pontos de interrogação, que poderá fazer dela o que quiser; assim como um angu de caroço.

O guia do politicamente correto tem determinado também o manual de redação das grandes empresas de comunicação do país. Na prática, seguem uma cartilha social e correta para estar bem com todos, sem gafes. Alguns aboliram ou trocaram o popular termo “favela”, por exemplo, pelo politicamente correto “comunidade”.

Fosse só isso, podíamos pensar que era só uma forma de chegar ao leitor de uma maneira mais formal, mas a coisa é mais pecaminosa. Grande parte da imprensa no Brasil, que deveria se unir ao seu leitor em forma de colher e apontar a verdade dos fatos, conta, muitas vezes, só meias-verdades, ou pior ainda, se omite e se ausenta sem dizer uma só palavra.

No surto de manifestações que tomaram conta do Brasil — ninguém sabe, de fato, os motivos, porque há muitos motivos —, a "mídia" se tornou, não aliada do movimento, mas vidraça para muitos. Alguns jornalistas têm escondido o microfone de suas emissoras e gravado matérias por telefone celular; passando como meros espectadores e partícipes dos manifestos. Isso é decadente, porque os manifestantes sabem que a imprensa tem agido conforme a cartilha dos seus patrões, neste caso o próprio governo.

Óbvio que, em meio a muitos, existem os que ainda se consideram imprensa livre, e dizem o que pensam, fazendo a leitura sobre todos os ângulos; mostrando sua cara e por isso sendo mais aceitos.

Nos tempos atuais, onde a internet tomou conta de tudo, a velha imprensa (typewriter) ficou velha mesmo, caduca, como no filme de diálogos confusos “Front Page”, do bom diretor Billie Wilder. As pessoas estão escolhendo o Facebook para se atualizar; ou publicando suas opiniões em vídeos pelo You tube. A imprensa virou espectador do leitor que agora é ativo no guia da informação. O restante vão fazer fofocas dos programas de reality show.

Nos últimos dias, o movimento “#MudaBrasil” se propagou como um rastilho de pólvora e pegou todos de surpresa. O governo, que sempre teve debaixo das asas do seu poder, diversos seguimentos da sociedade como sindicatos, centrais sindicais, movimentos sociais e ONGs, ficou atônito com os manifestos, pois era algo fora do controle. Se for quer buscar o fio do novelo, não chegará a lugar algum. A internet é o estopim, o fio desencapado, como sugeriu o ex-presidente Fernando Henrique. Com quem agora negociar? Não tem com quem e nem o quê.

Vira-e-mexe se lê nos murais das redes sociais o termo “o que a mídia não mostrou”. Virou um meme (outra palavra atual). Esse chamativo pode ser um vídeo feito por amador, ou fotos de quem esteve presente à cena. De fato, a “mídia” não noticia tudo. Há filtros técnicos, políticos, sociais e mesmo de autocensura. Por isso que muitos não estão mais interessados em TV, rádio e jornais impressos.

Agora uma confissão. Às vezes eu penso em fugir para outra profissão e uma que “me gusta mucho” é jornalismo. Quando me lembro de Joelmir Beting, e vejo como sua história o levou para o jornalismo, em específico o econômico, me dá vontade de seguir por aí também. Meu receio maior é ser censurado, ceifado, por meu texto ter um compromisso com a verdade. Mesmo que ela seja só a minha verdade.

© Antônio de Oliveira / arquiteto e urbanista / Julho de 2013.
Postar um comentário