BEM-VINDOS À CRÔNICAS, ETC.


Amor é privilégio de maduros / estendidos na mais estreita cama, / que se torna a mais / larga e mais relvosa, / roçando, em cada poro, o céu do corpo. / É isto, amor: o ganho não previsto, / o prêmio subterrâneo e coruscante, / leitura de relâmpago cifrado, /que, decifrado, nada mais existe / valendo a pena e o preço do terrestre, / salvo o minuto de ouro no relógio / minúsculo, vibrando no crepúsculo. / Amor é o que se aprende no limite, / depois de se arquivar toda a ciência / herdada, ouvida. / Amor começa tarde. (O Amor e seu tempoCarlos Drummond de Andrade)

segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Então virou moda


Virou moda ser "master chef", porque a TV mostrou. E depois comer mesmo feijão com arroz todo dia;
Virou moda tomar vinho e cerveja artesanal, e antes cheirar a boca da garrafa como se soubesse distinguir alguma coisa;
Virou moda cobrir o corpo de tatuagens que as rugas um dia deformarão;
Virou moda ver "the voice" na TV e não perceber o que falta  é criatividade, porque as músicas que eles cantam foram compostas há mais de 30 anos;
Virou moda ter cachorro, gato e tratá-los como se fossem filhos;
Virou moda brigar com o professor e poupar o filho pelas notas baixas;
Virou moda homem se vestir como mulher, e mulher se vestir para outra mulher;
Virou moda mudar o padrão de beleza, olhando agora para coisas feias e bregas;
Virou moda ouvir funk, sertanejo e achar que é bom e todo mundo gosta;
Virou moda ser fitness, pedalar, correr e ser burro;
Virou moda cuidar do corpo em detrimento à mente;
Virou moda tirar retrato de si, narcisamente falando;
Virou moda ser espiritualizado e não ser religioso;
Virou moda novela gay, beijo gay, ator gay, mundo gay;
Virou moda aceitar qualquer coisa além do gênero masculino e feminino;
Virou moda relativizar tudo, até a mais ululante verdade;
Virou moda não ler e ter opinião sobre tudo que não sabe;
Virou moda ser mimizento, ressentido e chato;
Virou moda maquiar a realidade por pura covardia;
Virou moda ser politicamente correto;
Virou moda a burrice sem rubro na face;
Virou moda ser ridículo e não saber o quanto é.
 
© Antônio de Oliveira / arquiteto, urbanista e cronista / Janeiro de 2017
Postar um comentário